Encontre o que você procura no portal

Use o campo de pesquisa abaixo para encontrar o que você precisa de maneira fácil e rápida.

Secretaria de Assistência Social

A Secretaria Municipal de Assistência Social - SEMAS é responsável pela gestão plena da Política Municipal de Assistência Social em São José do Rio Preto e atua de forma integrada com órgãos governamentais e instituições não governamentais que compõem a rede socioassistencial do município.

A metodologia de atuação, tanto na área de proteção social básica como na especial, se espelha no Sistema Único de Assistência Social - Suas, tendo como foco de atenção prioritária a família e as condições de vulnerabilidade social em que se encontra.

Todos os esforços são dirigidos à consolidação da nova forma de atuação da assistência social no município, atendendo às diretrizes da Política Nacional de Assistência Social - que instituiu o Sistema Único de Assistência Social / Suas - à expansão e ao aprimoramento da rede de atendimento descentralizado em 13 CRAS – Centro de Referência da Assistência Social, sendo 2 deles com equipes volantes que atendem áreas rurais, loteamentos e condomínios de chácaras; 2 CREAS – Centro de Referência Especializado de Assistência Social e um Centro POP - Centro de Referência Especializado para Pessoas em Situação de Rua; e à capacitação dos servidores, como forma de criar condições favoráveis ao aprimoramento contínuo da qualidade dos serviços prestados.

Dirigidos prioritariamente aos cidadãos, grupos e famílias que se encontram em situação de risco e vulnerabilidade social, os serviços prestados são organizados em dois níveis de proteção social: básica e especial, tendo o território como espaço de expressão da cidadania e reconquista dos direitos sociais.

A proteção básica refere-se à prevenção de situações de risco e oferta de serviços que visam a socialização e convivência familiar e/ou comunitária. Os serviços incluem capacitação e desenvolvimento de empreendedores, com cursos em diversas áreas e oficinas de integração. A proteção social especial se caracteriza pela atenção integral e está voltada às famílias e indivíduos com direitos violados e laços familiares ou comunitários rompidos ou fragilizados. Os serviços estão disponíveis nas modalidades de média e alta complexidade.

Neste portal apresentamos a estrutura e organização desses serviços, os caminhos e os resultados do trabalho de todos os profissionais da SEMAS.

E compartilhamos, com a população e os demais órgãos municipais, o objetivo de registrar em São José do Rio Preto a melhor qualidade de vida das capitais brasileiras.

Seja muito bem vindo!

Endereço: Rua João Teixeira, 260 – Bairro Santa Cruz

CEP 15014-810 - São José do Rio Preto – SP

Telefone: (17) 3211-6510

E-mail: contato@semas.riopreto.sp.gov.br

twitter: @semasriopreto

Maria Silvia Lima Bastos Fernandes

É graduada em Serviço Social com especialização em Violência Doméstica contra crianças e adolescentes, e possui formação em terapia familiar. É funcionária municipal. Foi assistente social da Funfarme e do Crami. De julho de 2004 a dezembro de 2004, e de janeiro de 2005 a dezembro de 2008, foi secretária nos meus governos. De 2009 a 2016 foi assistente social da Secretaria de Assistência Social, da qual agora será a titular. Tem, portanto, uma vasta experiência na área.

  • Conselhos Municipais

    Casa dos Conselhos

    A Casa dos Conselhos foi criada para receber os conselheiros e a toda sociedade, potencializando a atuação dos Conselhos no processo de controle social. É um dos instrumentos para fortalecer a atuação dos conselhos municipais. O objetivo principal é dar condições e suporte para que realizem suas atividades com conforto e autonomia.

    A Casa dos Conselhos disponibiliza a estrutura necessária para a execução das atividades específicas de cada grupo de conselheiros, como: reuniões, estudos, trabalho das comissões, atendimento à população, encontros de conselheiros, entre outras atividades. É uma porta de acesso a todo cidadão que necessite de informações e esclarecimentos sobre o funcionamento das políticas públicas locais e das garantias de direitos.

    As reuniões ordinárias e sistemáticas dos Conselhos são abertas à participação de qualquer cidadão. A Casa, atualmente, acolhe os seguintes Conselhos:


    Conselho Municipal da Assistência Social – CMAS

    Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente – CMDCA

    Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa Idosa – CMDI

    Conselho Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional - COMSEA

    Conselho Municipal sobre Álcool e outras Drogas – COMAD


    Eles se reúnem ordinariamente uma vez por mês, e extraordinariamente quando necessário; além de reuniões de comissões de trabalho e câmaras técnicas de cada conselho. Ocorrem ainda reuniões preparatórias para eventos como conferências, seminários e oficinas que tratam de políticas públicas de cada segmento.


    A importância da Casa dos Conselhos

    A Casa é importante para que os Conselhos efetivem sua participação com qualidade, no processo de controle social, tendo em vista que, através dela, são realizadas atividades como programação de ações de capacitação dos conselheiros por intermédio de treinamentos, palestras, fóruns e cursos, visando o fortalecimento e a qualificação de seus espaços de articulação, negociação e decisão, e devem incluir nos seus orçamentos recursos financeiros para a capacitação.

    Assim, realizar controle social significa exercer a democracia participativa, por meio de canais de fiscalização, para acompanhar e certificar a qualidade das políticas públicas realizadas.

    Por meio deste exercício a sociedade organizada realiza intervenções na formulação, execução e avaliação dos serviços desenvolvidos por órgãos governamentais. Para tanto, há que se garantir a existência de espaços públicos de participação popular.


    O que são os Conselhos?

    São instâncias permanentes, sistemáticas, institucionais e formais, criadas por lei, e compostas por representações da sociedade civil e do Governo Municipal, tendo como função o controle social conforme a concepção observada na Constituição Federal, através da Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS), e também no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), na Política Nacional do Idoso, dentre outras.


    Conceito de Controle Social

    A inclusão da participação social enquanto princípio teórico-prático na estrutura jurídico-legal do Estado, diz respeito diretamente ao processo constituinte e a Constituição Federal de 1988, pois estes representaram a intenção de ampliação e execução dos direitos sociais.

    O Controle Social é o exercício de democratização da gestão pública, que permite à sociedade organizada intervir nas políticas públicas, interagindo com o município para a definição de prioridades e elaboração dos planos de ação dos municípios.

    Quando nos referimos à natureza e às atribuições dos Conselhos, podemos dizer que são instancias que dispõem de autonomia para desempenhar suas funções, sem interferências indevidas na administração. São instituídos como braço normativo das políticas sociais e co-responsáveis pela sua eficácia. Têm caráter deliberativo, porém não executivo, são órgãos com função de controle (não correcional).


    Fale conosco

    Horário: 2ª a 6ª feiras, das 8 às 17 horas.

    Rua Maximiano Mendes, nº 154 - Vila Santa Cruz

    São José do Rio Preto

    Telefone: (17) 3211-1850

    E-mails:

    cmas@riopreto.sp.gov.br

    cmdca@riopreto.sp.gov.br

    comsea@riopreto.sp.gov.br

    comad@riopreto.sp.gov.br

    cmdi@riopreto.sp.gov.br

  • Entidades Sociais

    Segmento Assistência Social Geral


    Segmento Criança e Adolescente


    Segmento Pessoa com Deficiência

    • APAE – ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS
      Endereço: Rua Raul Silva, 1863 – Bairro: Nova Redentora - CEP: 15090–260

      Fone: 3216-9797

      e-mail: apaeriopreto@org.br

      Presidente: Irineu Cocenza

    • ASSOCIAÇÃO RENASCER
      Endereço: Av. Amélia Cury Gabriel, 4701 – Vitória Régia - CEP: 15075–220

      Fone: (17)3213.9595

      e-mail: associacao_renascer@ig.com.br

      Coordenadora: Telma Peres Gonçalves

      Presidente: José Alberto Liso

    • INSTITUTO RIOPRETENSE DOS CEGOS TRABALHADORES
      Endereço: Rua Antonio de Godoy, 5674 – Bairro Vila São José - CEP: 15090 – 250

      Fone: 3227-2484

      e-mail: irct_@hotmail.com

      Presidente: Sinval Aves de Lima


    Segmento 3ª Idade

    • ASSOC. E OF. DE CARIDADE SANTA RITA DE CÁSSIA “LAR DOS IDOSOS”
      ASSOC. E OF. DE CARIDADE SANTA RITA DE CÁSSIA “LAR DOS IDOSOS”

      Endereço: Rua Voluntários da Pátria, 44 – Schmidt - CEP: 15104–000

      Fone: 3808-1527 / 3808-1081

      e-mail: asiloschmidt@ig.com.br

      Presidente: João Carlos de Carvalho

    • LAR ESPERANÇA
      Endereço: Rua Edson Pupin, 651 – Bairro: Santo Antônio - CEP: 15.047-157

      Fone: 3236-7715 / 3218-4600

      site www.laresperanca.org.br

      e-mail: a.social@laresperanca.org.br

      Consultor Coordenador Diretor: 1º Marcio Rocha da Freiria, 2º Alexandre Kopti Tranjan, 3º Maria Odete Ribeiro da Freiria

    • LAR SÃO VICENTE DE PAULO DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO
      Endereço: Rua Fernão Dias Paes Leme, 414 – Vila Maceno - CEP: 15060–130

      Fone: 3224-6435 / 3225-6311

      e-mail: adm@larsaovicente.org.br

      Presidente: Victório Raphael Vidotto

    • ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA LAR DE BETÂNIA
      Endereço: Rua Roberto Simonsen, 430 – Vila São José - CEP: 15090–120

      Fone/Fax: 3227-2200

      e-mail: selbi@ig.com.br

      Presidente: Dr. Paulo Dalbino Bovério

    Entidades Inscritas como Serviço

    • HOSPITAL ADOLFO BEZERRA DE MENEZES
      Endereço: Rua Major João Batista França, 298 – Boa Vista - CEP: 15025–610

      Fone: 4009-7766 (Marcos)

      E-mail: habmrh@terra.com.br

      Provedor: Grácio Tomaz Saturno

    • CENTRO COMUNITÁRIO E EDUCACIONAL DA LEGIÃO DA BOA VONTADE
      Endereço: Rua D. Pedro I, 2.776 - Bairro: Jd. Canaã CEP: 15030- 500

      Fone: 3235-1811

      e-mail: elizandrar@ibv.org.br / luziaribeiro4@hotmail.com / acessoria-luzia@lbv.or.br / dulceidalgo@hotmail.com

      Gerente Administrativo: Carlos Elizer Rodrigues


    Registradas no CMDCA

    Segmento Criança e Adolescente

  • Territórios de CRAS e Unidades SEMAS

    Confira a cobertura de Proteção Social em São José do Rio Preto, com abrangência territorial dos CRAS e localização das Unidades de Atendimento.

    Visualize no Google Maps

Conselhos Municipais

Casa dos Conselhos

A Casa dos Conselhos foi criada para receber os conselheiros e a toda sociedade, potencializando a atuação dos Conselhos no processo de controle social. É um dos instrumentos para fortalecer a atuação dos conselhos municipais. O objetivo principal é dar condições e suporte para que realizem suas atividades com conforto e autonomia.

A Casa dos Conselhos disponibiliza a estrutura necessária para a execução das atividades específicas de cada grupo de conselheiros, como: reuniões, estudos, trabalho das comissões, atendimento à população, encontros de conselheiros, entre outras atividades. É uma porta de acesso a todo cidadão que necessite de informações e esclarecimentos sobre o funcionamento das políticas públicas locais e das garantias de direitos.

As reuniões ordinárias e sistemáticas dos Conselhos são abertas à participação de qualquer cidadão. A Casa, atualmente, acolhe os seguintes Conselhos:


Conselho Municipal da Assistência Social – CMAS

Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente – CMDCA

Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa Idosa – CMDI

Conselho Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional - COMSEA

Conselho Municipal sobre Álcool e outras Drogas – COMAD


Eles se reúnem ordinariamente uma vez por mês, e extraordinariamente quando necessário; além de reuniões de comissões de trabalho e câmaras técnicas de cada conselho. Ocorrem ainda reuniões preparatórias para eventos como conferências, seminários e oficinas que tratam de políticas públicas de cada segmento.


A importância da Casa dos Conselhos

A Casa é importante para que os Conselhos efetivem sua participação com qualidade, no processo de controle social, tendo em vista que, através dela, são realizadas atividades como programação de ações de capacitação dos conselheiros por intermédio de treinamentos, palestras, fóruns e cursos, visando o fortalecimento e a qualificação de seus espaços de articulação, negociação e decisão, e devem incluir nos seus orçamentos recursos financeiros para a capacitação.

Assim, realizar controle social significa exercer a democracia participativa, por meio de canais de fiscalização, para acompanhar e certificar a qualidade das políticas públicas realizadas.

Por meio deste exercício a sociedade organizada realiza intervenções na formulação, execução e avaliação dos serviços desenvolvidos por órgãos governamentais. Para tanto, há que se garantir a existência de espaços públicos de participação popular.


O que são os Conselhos?

São instâncias permanentes, sistemáticas, institucionais e formais, criadas por lei, e compostas por representações da sociedade civil e do Governo Municipal, tendo como função o controle social conforme a concepção observada na Constituição Federal, através da Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS), e também no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), na Política Nacional do Idoso, dentre outras.


Conceito de Controle Social

A inclusão da participação social enquanto princípio teórico-prático na estrutura jurídico-legal do Estado, diz respeito diretamente ao processo constituinte e a Constituição Federal de 1988, pois estes representaram a intenção de ampliação e execução dos direitos sociais.

O Controle Social é o exercício de democratização da gestão pública, que permite à sociedade organizada intervir nas políticas públicas, interagindo com o município para a definição de prioridades e elaboração dos planos de ação dos municípios.

Quando nos referimos à natureza e às atribuições dos Conselhos, podemos dizer que são instancias que dispõem de autonomia para desempenhar suas funções, sem interferências indevidas na administração. São instituídos como braço normativo das políticas sociais e co-responsáveis pela sua eficácia. Têm caráter deliberativo, porém não executivo, são órgãos com função de controle (não correcional).


Fale conosco

Horário: 2ª a 6ª feiras, das 8 às 17 horas.

Rua Maximiano Mendes, nº 154 - Vila Santa Cruz

São José do Rio Preto

Telefone: (17) 3211-1850

E-mails:

cmas@riopreto.sp.gov.br

cmdca@riopreto.sp.gov.br

comsea@riopreto.sp.gov.br

comad@riopreto.sp.gov.br

cmdi@riopreto.sp.gov.br

Entidades Sociais

Territórios de CRAS e Unidades SEMAS

Confira a cobertura de Proteção Social em São José do Rio Preto, com abrangência territorial dos CRAS e localização das Unidades de Atendimento.

Visualize no Google Maps
  • Biblioteca

    Publicações

    • A Gestão e o Financiamento na efetivação do SUAS

      "A Gestão e o Financiamento na efetivação do SUAS" - Gisele de Cássia Tavares, mestre em Serviço Social e Política Social com Ênfase no Financiamento da Política de Assistência Social.

      Arquivos

      "A Gestão e o Financiamento na efetivação do SUAS" - Gisele de Cássia Tavares

      SaibaMais

      "A Gestão e o Financiamento na efetivação do SUAS" - Gisele de Cássia Tavares, mestre em Serviço Social e Política Social com Ênfase no Financiamento da Política de Assistência Social

      "Assistência Social: desafios na gestão territorial do SUAS" - Prof.ª Dr.ª Dirce Koga, consultora especializada na temática socioterritorial e políticas sociais e autora do livro "Medidas de Cidades".

      "Avanços e Limites da Política Municipal de Assistência Social e a Sistematização das Pré-Conferências" - Helena Cristina Marangoni, Secretária Municipal de Assistência Social.

    • Gestão territorial do SUAS

      "Assistência Social: desafios na gestão territorial do SUAS" - Prof.ª Dr.ª Dirce Koga, consultora especializada na temática socioterritorial e políticas sociais e autora do livro "Medidas de Cidades".

      Arquivos

      Assistência Social: desafios na gestão territorial do SUAS - Prof.ª Dr.ª Dirce Koga

      SaibaMais

      "A Gestão e o Financiamento na efetivação do SUAS" - Gisele de Cássia Tavares, mestre em Serviço Social e Política Social com Ênfase no Financiamento da Política de Assistência Social.

      "Avanços e Limites da Política Municipal de Assistência Social e a Sistematização das Pré-Conferências" - Helena Cristina Marangoni, Secretária Municipal de Assistência Social.

    • Avanços e Limites da Política Municipal de Assistência Social

      "Avanços e Limites da Política Municipal de Assistência Social e a Sistematização das Pré-Conferências" - Helena Cristina Marangoni, Secretária Municipal de Assistência Social.

      Arquivos

      Avanços e Limites da Política Municipal de Assistência Social e a Sistematização das Pré-Conferências - Helena Cristina Marangoni

      SaibaMais

      "A Gestão e o Financiamento na efetivação do SUAS" - Gisele de Cássia Tavares, mestre em Serviço Social e Política Social com Ênfase no Financiamento da Política de Assistência Social

      "Assistência Social: desafios na gestão territorial do SUAS" - Prof.ª Dr.ª Dirce Koga, consultora especializada na temática socioterritorial e políticas sociais e autora do livro "Medidas de Cidades".

    • Evolução de Subvenção Social as Entidades conveniadas com a SEMAS Arquivos
      Arquivos

      Evolução de Subvenção Social as Entidades conveniadas com a SEMAS

      SaibaMais

      "A Gestão e o Financiamento na efetivação do SUAS" - Gisele de Cássia Tavares, mestre em Serviço Social e Política Social com Ênfase no Financiamento da Política de Assistência Social.

      "Assistência Social: desafios na gestão territorial do SUAS" - Prof.ª Dr.ª Dirce Koga, consultora especializada na temática socioterritorial e políticas sociais e autora do livro "Medidas de Cidades".

      "Avanços e Limites da Política Municipal de Assistência Social e a Sistematização das Pré-Conferências" - Helena Cristina Marangoni, Secretária Municipal de Assistência Social.

    • Plano Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual Infanto-Juvenil

      A publicação deste relatório, do Comitê Nacional de Enfrentamento à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes, busca contribuir com o debate atual trazendo reflexões e práticas que, no monitoramento realizado em todas as regiões e UF brasileiras, puderam criar consensos e serem sistematizadas na perspectiva da implementação do Plano Nacional de Enfrentamento à Violência Sexual contra Criança e Adolescente.

      Arquivos

      Plano Nacional

      SaibaMais

      "A Gestão e o Financiamento na efetivação do SUAS" - Gisele de Cássia Tavares, mestre em Serviço Social e Política Social com Ênfase no Financiamento da Política de Assistência Social.

      "Assistência Social: desafios na gestão territorial do SUAS" - Prof.ª Dr.ª Dirce Koga, consultora especializada na temática socioterritorial e políticas sociais e autora do livro "Medidas de Cidades".

      "Avanços e Limites da Política Municipal de Assistência Social e a Sistematização das Pré-Conferências" - Helena Cristina Marangoni, Secretária Municipal de Assistência Social.

    • Lei Orgânica de Assistência Social - Loas Anotada

      A Lei Nº 8.742, de 7 de dezembro de 1993, Lei Orgânica de Assistência Social – LOAS, dispõe sobre a organização da Assistência Social, representando um marco para o reconhecimento da assistência social como direito a qualquer cidadão brasileiro aos benefícios, serviços, programas e projetos socioassistenciais. Esta publicação traz, ainda, a legislação que regulamenta os aspectos essenciais da LOAS, incluindo: o Decreto nº 1.605, de 25 de agosto de 1995, que regulamenta o Fundo Nacional de Assistência Social. A Lei nº 9.604, de 5 de fevereiro de 1998, que dispõe sobre a prestação de contas de aplicação de recursos a que se refere a Lei nº 8.872, 7 de dezembro de 1993, e dá outras providências, o Decreto nº 5.085, de 19 de maio de 200, que define as ações continuadas de assistência social e, também a Decisão nº 1.934-7, do Supremo Tribunal Federal. A Loas Anotada se presta a agilizar e facilitar o trabalho de consulta às leis que regulamentam os serviços e benefícios articulados em torno do SUAS.

      Título: Lei Orgânica de Assistência Social - LOAS Anotada/2009

      Data: 2009

      Autor: Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome – MDS/SNAS

      Organizadores: Coordenação Geral de Regulação Público e Privado do DGSUAS e Consultoria Jurídica do MDS

      Fonte: www.mds.gov.br

      Arquivos

      Lei Orgânica de Assistência Social - Loas Anotada

      SaibaMais

      "A Gestão e o Financiamento na efetivação do SUAS" - Gisele de Cássia Tavares, mestre em Serviço Social e Política Social com Ênfase no Financiamento da Política de Assistência Social.

      "Assistência Social: desafios na gestão territorial do SUAS" - Prof.ª Dr.ª Dirce Koga, consultora especializada na temática socioterritorial e políticas sociais e autora do livro "Medidas de Cidades".

      "Avanços e Limites da Política Municipal de Assistência Social e a Sistematização das Pré-Conferências" - Helena Cristina Marangoni, Secretária Municipal de Assistência Social.

    • Estatuto do Idoso

      O Estatuto do Idoso é instituído pela Lei nº 10.741, de 1º de outubro de 2003. Seu objetivo é regular os direitos assegurados às pessoas com idade igual ou superior a 60 (sessenta) anos.

      Título: Estatuto do Idoso

      Data: dez/2007

      Autor: www.mds.gov.br

      SaibaMais

      "A Gestão e o Financiamento na efetivação do SUAS" - Gisele de Cássia Tavares, mestre em Serviço Social e Política Social com Ênfase no Financiamento da Política de Assistência Social.

      "Assistência Social: desafios na gestão territorial do SUAS" - Prof.ª Dr.ª Dirce Koga, consultora especializada na temática socioterritorial e políticas sociais e autora do livro "Medidas de Cidades".

      "Avanços e Limites da Política Municipal de Assistência Social e a Sistematização das Pré-Conferências" - Helena Cristina Marangoni, Secretária Municipal de Assistência Social.


    Monitoramento e Avaliação

    • Sistema de Monitoramento e Avaliação de São José do Rio Preto

      A estruturação de um sistema de monitoramento e avaliação favorece a capacidade gerencial, técnica e administrativa aos atores da política de Assistência Social no município. Além disso, orienta a elaboração do plano de monitoramento e avaliação na área social que deve incluir mecanismos de devolução de informações para que os Conselhos assumam papel de destaque no exercício do controle social e na reformulação das políticas do setor.

      O Sistema Municipal de Monitoramento e Avaliação aprovado pela Resolução CMAS Nº 86/2011, contou com a participação de representantes dos serviços socioassistenciais governamentais e não governamentais e do Conselho Municipal de Assistência Social por meio das Comissões de Serviços.

      Arquivos

      Sistema de Monitoramento e Avaliação

      SaibaMais

      Construção do Sistema Municipal de Monitoramento e Avaliação da Rede socioassistencial do município de São José do Rio Preto.

      Apresentação

    • Construção do Sistema Municipal de Monitoramento e Avaliação

      Construção do Sistema Municipal de Monitoramento e Avaliação da Rede socioassistencial do município de São José do Rio Preto.

      A presente proposta constitui-se na construção do Sistema Municipal de Monitoramento e Avaliação da Rede socioassistencial do município de São José do Rio Preto. O referido sistema define critérios de qualidade para o funcionamento dos serviços socioassistenciais, considerando tipo de serviço, ações\metodologias, recursos humanos, estrutura física e de materiais. O sistema contempla ainda, matriz de vulnerabilidade e risco social, matriz de avaliação de resultados, relatórios, custo de serviço e demais instrumentos de monitoramento da rede socioassistencial.O parâmetro legal para elaboração do sistema é a Política Nacional de Assistência Social, Tipificação Nacional, NOB-SUAS e NOB-RH, Guias de orientações Técnicas, resoluções do CNAS, legislações específicas do município e demais regulações.

      SaibaMais

      Sistema de Monitoramento e Avaliação de São José do Rio Preto

      Apresentação

    • Apresentação

      PROJETO PARA CONSTRUÇÃO DE SISTEMA DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO São José do Rio Preto - 2011

      Arquivos

      Reunião de Apresentação - 28/03/2011

      SaibaMais

      Sistema de Monitoramento e Avaliação de São José do Rio Preto

      Construção do Sistema Municipal de Monitoramento e Avaliação da Rede socioassistencial do município de São José do Rio Preto.

  • BPC - Benefício de Prestação Continuada

    Cadastro - BPC - Benefício de Prestação Continuada

    CONVOCAMOS os idosos beneficiários do BPC-LOAS que ainda não realizaram a inclusão no Cadastro Único para que compareçam ao CRAS - Centro de Referência da Assistência Social mais próximo de sua residência.

    Esta inclusão se faz necessária considerando a publicação do Decreto nº 8.805, de 7 de julho de 2016, que torna obrigatório que as famílias beneficiárias do BPC - Benefício de Prestação Continuada - estejam inscritas no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal e pela Portaria Interministerial MDSA/MP/MF nº 2, de 7 de novembro de 2016 que estabelece prazos para que os Beneficiários do BPC Idoso realizem a inclusão até 31/12/2017.

    INFORMAÇÕES: 3231-3975

    RESSALTAMOS QUE O BENEFICIÁRIO QUE NÃO FIZER A INCLUSÃO ATÉ 31/12/2017 TERÁ SEU BENEFÍCIO SUSPENSO.

    Clique aqui para visualizar a lista de de Convocação do BPC - Idoso.

    Clique aqui para visualizar os endereços do CRAS.

  • Campanhas
    • Seminário de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes

      O Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes será marcado por mobilizações sociais e seminário, nos dias 14 e 15 de maio. Será lançado, na ocasião, a Campanha “Crianças abusadas sexualmente não falam. Denuncie”, organizado pela Prefeitura Municipal, por meio da Secretaria Municipal de Assistência Social, em parceria com o Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente – CMDCA – e Conselho Municipal de Assistência Social – CMAS.

      O Dia Nacional de Combate ao Abuso é no dia 18 de maio, mas Rio Preto está antecipando suas ações de sensibilização para os dias 14 e 15 de maio. O Dia Nacional de Combate foi criado em 18 de maio de 2000 pela Lei Federal nº 9970/00, com objetivo de mobilizar e convocar a sociedade brasileira a proteger suas crianças e adolescentes. A data foi escolhida em razão do "Crime Araceli". A menina de apenas oito anos de idade que foi estuprada e assassinada em Vitória (ES), em 1973. Os autores desta violência nunca foram punidos.

      “É um momento ímpar para chamarmos a atenção da sociedade como um todo sobre a importância de se denunciar casos de violências ou abusos, através do disque 100. Um gesto como esse pode mudar a história de vida de uma criança ou adolescente que muitas vezes, é ameaçada ou intimidada pelo agressor”, explica a secretária de Assistência, Helena Cristina Marangoni.

      No dia 14, no auditório da UNIP, o Promotor de Justiça de Entrância Final, do Estado do Paraná, Murillo José Digiácomo, fará abertura do Seminário discutindo o tema: “Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes: Avanços e Desafios”.

      No mesmo dia, no período da tarde, serão realizadas intervenções nos semáforos, de conscientização sobre a Campanha “Crianças abusadas sexualmente não falam. Denuncie”.

      Já no dia 15, na Praça Rui Barbosa, a Secretaria de Assistência realiza diversas mobilizações de sensibilização e estímulo à denúncia de casos de violência sexual. O evento terá a participação de várias instituições do município, com apresentações artísticas e distribuição de material informativo como cartazes, folders e adesivos, bem como ações em semáforos para chamar a atenção dos motoristas sobre o Combate a Violência infanto-juvenil.

      Para reforçar o tema "Violência Sexual é Crime" estudantes da Escola Viva, do Eldorado e Dom Lafayete farão visitação aos prédios públicos para sensibilização contra a Violência.

      As inscrições para o Seminário estão encerradas.

      Programação

      Dia 14/5

      Horário: 8h30

      Seminário “Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes: Avanços e Desafios”, com o Promotor de Justiça de Entrância Final, do Estado do Paraná, Murillo José Digiácomo.

      Local: Auditório da UNIP

      Horário: a partir das 14 horas

      Campanha “Crianças abusadas sexualmente não falam. Denuncie”

      Equipe teatral fará intervenção nos faróis em vários pontos da cidade com distribuição de adesivo e folder explicativo.

      Dia 15/05

      Horário: 9 horas

      Local: Praça Rui Barbosa

      Apresentação:

      Percussão Viva

      Valquírias Ielar

      Apae Capoeira

      Renascer

      Hip Hop

      Grafitagem

      Horário: 14 horas

      Visitação/sensibilização em prédios públicos

      Equipe teatral fará intervenção nos faróis em vários pontos da cidade com distribuição de adesivo e folder explicativo

      Mara Luíza Alves dos Santos

    • DestinAção Solidária

      O CMDCA - Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente lança, no dia 28 de novembro, às 19h30, no Centro de Convenções da Acirp, mais uma edição da Campanha DestinAção Solidária. A Prefeitura de São José do Rio Preto através da Secretaria de Assistência Social, Receita Federal, Acirp (Associação Comercial e Industrial de Rio Preto) e o CRC-SP (Conselho Regional de Contabilidade), são apoiadores da Campanha.

      Para participar basta fazer sua adesão até o dia 28 de dezembro. De acordo com a lei, podem ser destinados 6% do imposto de renda apurado anualmente pela Pessoa Física e 1% do imposto de renda recolhido sobre o lucro real da Pessoa Jurídica. Pessoa Física também pode fazer a adesão entre os dias 02 de janeiro e 30 de abril de 2013, neste caso podem ser destinados 3% do imposto de renda apurado.

      É importante ressaltar que esse dinheiro não sairá do bolso do contribuinte, pois faz parte dos impostos pagos e serão direcionados para a campanha. Mesmo em caso de restituições, o contribuinte não terá nenhuma porcentagem descontada, por ter feito a doação. A grande vantagem da campanha é que o dinheiro arrecadado é aplicado no próprio município. Desta forma, a comunidade pode acompanhar onde os recursos estão sendo aplicados. Eles são destinados a projetos apresentados pelas instituições que prestam atendimentos às crianças e adolescentes.

      Todo recurso destinado às entidades beneficentes, é monitorado e fiscalizado pelo CMDCA juntamente com um grupo de estudantes da Unirp, do curso de Ciências Contábeis, com supervisão de professores. O acompanhamento sobre a utilização destes recursos é feito mensalmente, com o aval do CRC e da Promotoria da Infância e Juventude. As entidades prestam contas ao Tribunal, através da Secretaria da Fazenda do Município.

      Com as doações de 2011, 22 instituições, o que representa 4259 crianças, foram atendidas com os recursos da campanha, somando R$ 428.981,81. O dinheiro proporcionou que as entidades tivessem melhorias estruturais em seus prédios, adquirissem novos veículos e investissem em recursos humanos, o que melhorou a qualidade do atendimento que prestam.

      Para aderir à campanha “DestinAção Solidária”, o contribuinte deve acessar o Portal Rio Preto, site oficial da Prefeitura de São José do Rio Preto, no endereço www.riopreto.sp.gov.br, e clicar no link adesão. Em seguida, fazer a opção por pessoa física ou jurídica, para que seja gerado o boleto bancário. É necessário informar nome completo, endereço, cidade, telefone, número do CPF, data de vencimento e valor a ser destinado.

      Outras informações no CMDCA pelos telefones (17) 3235-6620 e (17) 3222-2919.

    • A esmola que você dá mata tudo

      Conscientizar e mobilizar a população para que não dê esmolas é o objetivo da campanha “A esmola que você dá mata tudo”, lançada pela prefeitura de Rio Preto, através da Secretaria de Assistência Social, em parceira com a Emurb (Empresa Municipal de Urbanismo), Acirp (Associação Comercial e Industrial de Rio Preto), e toda a rede de atendimento.

      Uma equipe estará nas ruas da cidade, até a próxima sexta-feira, percorrendo as principais vias públicas e pontos comerciais, fazendo a distribuição de material informativo sobre onde encontrar todos os serviços oferecidos (abordagem social, alimentação, local para higiene pessoal, passagens, abrigamento e acolhimento institucional) para que os moradores de rua munícipes possam ser atendidos de forma sistêmica e retomem sua vida, e os migrantes retornem para suas cidades de origem.

      “Queremos que a população tenha conhecimento sobre os serviços que são prestados para quem está na rua, e fique consciente de que a esmola que dão mata tudo, menos a fome e o frio. O rio-pretense é solidário e não queremos que deixem de doar, mas sim que façam a doação certa, que deve ser direcionada às instituições”, ressalta a secretária de Assistência Social, Ivani Vaz de Lima.

      O material também traz informações importantes sobre quem deve ser acionado, dependendo da situação.

  • Diagnóstico Socioterritorial 2015-2016
  • Material de Divulgação
  • Plano Municipal de Assistência Social de São José do Rio Preto

Biblioteca

  • Publicações
    • A Gestão e o Financiamento na efetivação do SUAS

      "A Gestão e o Financiamento na efetivação do SUAS" - Gisele de Cássia Tavares, mestre em Serviço Social e Política Social com Ênfase no Financiamento da Política de Assistência Social.

      Arquivos

      "A Gestão e o Financiamento na efetivação do SUAS" - Gisele de Cássia Tavares

      SaibaMais

      "A Gestão e o Financiamento na efetivação do SUAS" - Gisele de Cássia Tavares, mestre em Serviço Social e Política Social com Ênfase no Financiamento da Política de Assistência Social

      "Assistência Social: desafios na gestão territorial do SUAS" - Prof.ª Dr.ª Dirce Koga, consultora especializada na temática socioterritorial e políticas sociais e autora do livro "Medidas de Cidades".

      "Avanços e Limites da Política Municipal de Assistência Social e a Sistematização das Pré-Conferências" - Helena Cristina Marangoni, Secretária Municipal de Assistência Social.

    • Gestão territorial do SUAS

      "Assistência Social: desafios na gestão territorial do SUAS" - Prof.ª Dr.ª Dirce Koga, consultora especializada na temática socioterritorial e políticas sociais e autora do livro "Medidas de Cidades".

      Arquivos

      Assistência Social: desafios na gestão territorial do SUAS - Prof.ª Dr.ª Dirce Koga

      SaibaMais

      "A Gestão e o Financiamento na efetivação do SUAS" - Gisele de Cássia Tavares, mestre em Serviço Social e Política Social com Ênfase no Financiamento da Política de Assistência Social.

      "Avanços e Limites da Política Municipal de Assistência Social e a Sistematização das Pré-Conferências" - Helena Cristina Marangoni, Secretária Municipal de Assistência Social.

    • Avanços e Limites da Política Municipal de Assistência Social

      "Avanços e Limites da Política Municipal de Assistência Social e a Sistematização das Pré-Conferências" - Helena Cristina Marangoni, Secretária Municipal de Assistência Social.

      Arquivos

      Avanços e Limites da Política Municipal de Assistência Social e a Sistematização das Pré-Conferências - Helena Cristina Marangoni

      SaibaMais

      "A Gestão e o Financiamento na efetivação do SUAS" - Gisele de Cássia Tavares, mestre em Serviço Social e Política Social com Ênfase no Financiamento da Política de Assistência Social

      "Assistência Social: desafios na gestão territorial do SUAS" - Prof.ª Dr.ª Dirce Koga, consultora especializada na temática socioterritorial e políticas sociais e autora do livro "Medidas de Cidades".

    • Evolução de Subvenção Social as Entidades conveniadas com a SEMAS Arquivos
      Arquivos

      Evolução de Subvenção Social as Entidades conveniadas com a SEMAS

      SaibaMais

      "A Gestão e o Financiamento na efetivação do SUAS" - Gisele de Cássia Tavares, mestre em Serviço Social e Política Social com Ênfase no Financiamento da Política de Assistência Social.

      "Assistência Social: desafios na gestão territorial do SUAS" - Prof.ª Dr.ª Dirce Koga, consultora especializada na temática socioterritorial e políticas sociais e autora do livro "Medidas de Cidades".

      "Avanços e Limites da Política Municipal de Assistência Social e a Sistematização das Pré-Conferências" - Helena Cristina Marangoni, Secretária Municipal de Assistência Social.

    • Plano Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual Infanto-Juvenil

      A publicação deste relatório, do Comitê Nacional de Enfrentamento à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes, busca contribuir com o debate atual trazendo reflexões e práticas que, no monitoramento realizado em todas as regiões e UF brasileiras, puderam criar consensos e serem sistematizadas na perspectiva da implementação do Plano Nacional de Enfrentamento à Violência Sexual contra Criança e Adolescente.

      Arquivos

      Plano Nacional

      SaibaMais

      "A Gestão e o Financiamento na efetivação do SUAS" - Gisele de Cássia Tavares, mestre em Serviço Social e Política Social com Ênfase no Financiamento da Política de Assistência Social.

      "Assistência Social: desafios na gestão territorial do SUAS" - Prof.ª Dr.ª Dirce Koga, consultora especializada na temática socioterritorial e políticas sociais e autora do livro "Medidas de Cidades".

      "Avanços e Limites da Política Municipal de Assistência Social e a Sistematização das Pré-Conferências" - Helena Cristina Marangoni, Secretária Municipal de Assistência Social.

    • Lei Orgânica de Assistência Social - Loas Anotada

      A Lei Nº 8.742, de 7 de dezembro de 1993, Lei Orgânica de Assistência Social – LOAS, dispõe sobre a organização da Assistência Social, representando um marco para o reconhecimento da assistência social como direito a qualquer cidadão brasileiro aos benefícios, serviços, programas e projetos socioassistenciais. Esta publicação traz, ainda, a legislação que regulamenta os aspectos essenciais da LOAS, incluindo: o Decreto nº 1.605, de 25 de agosto de 1995, que regulamenta o Fundo Nacional de Assistência Social. A Lei nº 9.604, de 5 de fevereiro de 1998, que dispõe sobre a prestação de contas de aplicação de recursos a que se refere a Lei nº 8.872, 7 de dezembro de 1993, e dá outras providências, o Decreto nº 5.085, de 19 de maio de 200, que define as ações continuadas de assistência social e, também a Decisão nº 1.934-7, do Supremo Tribunal Federal. A Loas Anotada se presta a agilizar e facilitar o trabalho de consulta às leis que regulamentam os serviços e benefícios articulados em torno do SUAS.

      Título: Lei Orgânica de Assistência Social - LOAS Anotada/2009

      Data: 2009

      Autor: Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome – MDS/SNAS

      Organizadores: Coordenação Geral de Regulação Público e Privado do DGSUAS e Consultoria Jurídica do MDS

      Fonte: www.mds.gov.br

      Arquivos

      Lei Orgânica de Assistência Social - Loas Anotada

      SaibaMais

      "A Gestão e o Financiamento na efetivação do SUAS" - Gisele de Cássia Tavares, mestre em Serviço Social e Política Social com Ênfase no Financiamento da Política de Assistência Social.

      "Assistência Social: desafios na gestão territorial do SUAS" - Prof.ª Dr.ª Dirce Koga, consultora especializada na temática socioterritorial e políticas sociais e autora do livro "Medidas de Cidades".

      "Avanços e Limites da Política Municipal de Assistência Social e a Sistematização das Pré-Conferências" - Helena Cristina Marangoni, Secretária Municipal de Assistência Social.

    • Estatuto do Idoso

      O Estatuto do Idoso é instituído pela Lei nº 10.741, de 1º de outubro de 2003. Seu objetivo é regular os direitos assegurados às pessoas com idade igual ou superior a 60 (sessenta) anos.

      Título: Estatuto do Idoso

      Data: dez/2007

      Autor: www.mds.gov.br

      SaibaMais

      "A Gestão e o Financiamento na efetivação do SUAS" - Gisele de Cássia Tavares, mestre em Serviço Social e Política Social com Ênfase no Financiamento da Política de Assistência Social.

      "Assistência Social: desafios na gestão territorial do SUAS" - Prof.ª Dr.ª Dirce Koga, consultora especializada na temática socioterritorial e políticas sociais e autora do livro "Medidas de Cidades".

      "Avanços e Limites da Política Municipal de Assistência Social e a Sistematização das Pré-Conferências" - Helena Cristina Marangoni, Secretária Municipal de Assistência Social.

  • Monitoramento e Avaliação
    • Sistema de Monitoramento e Avaliação de São José do Rio Preto

      A estruturação de um sistema de monitoramento e avaliação favorece a capacidade gerencial, técnica e administrativa aos atores da política de Assistência Social no município. Além disso, orienta a elaboração do plano de monitoramento e avaliação na área social que deve incluir mecanismos de devolução de informações para que os Conselhos assumam papel de destaque no exercício do controle social e na reformulação das políticas do setor.

      O Sistema Municipal de Monitoramento e Avaliação aprovado pela Resolução CMAS Nº 86/2011, contou com a participação de representantes dos serviços socioassistenciais governamentais e não governamentais e do Conselho Municipal de Assistência Social por meio das Comissões de Serviços.

      Arquivos

      Sistema de Monitoramento e Avaliação

      SaibaMais

      Construção do Sistema Municipal de Monitoramento e Avaliação da Rede socioassistencial do município de São José do Rio Preto.

      Apresentação

    • Construção do Sistema Municipal de Monitoramento e Avaliação

      Construção do Sistema Municipal de Monitoramento e Avaliação da Rede socioassistencial do município de São José do Rio Preto.

      A presente proposta constitui-se na construção do Sistema Municipal de Monitoramento e Avaliação da Rede socioassistencial do município de São José do Rio Preto. O referido sistema define critérios de qualidade para o funcionamento dos serviços socioassistenciais, considerando tipo de serviço, ações\metodologias, recursos humanos, estrutura física e de materiais. O sistema contempla ainda, matriz de vulnerabilidade e risco social, matriz de avaliação de resultados, relatórios, custo de serviço e demais instrumentos de monitoramento da rede socioassistencial.O parâmetro legal para elaboração do sistema é a Política Nacional de Assistência Social, Tipificação Nacional, NOB-SUAS e NOB-RH, Guias de orientações Técnicas, resoluções do CNAS, legislações específicas do município e demais regulações.

      SaibaMais

      Sistema de Monitoramento e Avaliação de São José do Rio Preto

      Apresentação

    • Apresentação

      PROJETO PARA CONSTRUÇÃO DE SISTEMA DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO São José do Rio Preto - 2011

      Arquivos

      Reunião de Apresentação - 28/03/2011

      SaibaMais

      Sistema de Monitoramento e Avaliação de São José do Rio Preto

      Construção do Sistema Municipal de Monitoramento e Avaliação da Rede socioassistencial do município de São José do Rio Preto.

Cadastro - BPC - Benefício de Prestação Continuada

CONVOCAMOS os idosos beneficiários do BPC-LOAS que ainda não realizaram a inclusão no Cadastro Único para que compareçam ao CRAS - Centro de Referência da Assistência Social mais próximo de sua residência.

Esta inclusão se faz necessária considerando a publicação do Decreto nº 8.805, de 7 de julho de 2016, que torna obrigatório que as famílias beneficiárias do BPC - Benefício de Prestação Continuada - estejam inscritas no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal e pela Portaria Interministerial MDSA/MP/MF nº 2, de 7 de novembro de 2016 que estabelece prazos para que os Beneficiários do BPC Idoso realizem a inclusão até 31/12/2017.

INFORMAÇÕES: 3231-3975

RESSALTAMOS QUE O BENEFICIÁRIO QUE NÃO FIZER A INCLUSÃO ATÉ 31/12/2017 TERÁ SEU BENEFÍCIO SUSPENSO.

Clique aqui para visualizar a lista de de Convocação do BPC - Idoso.

Clique aqui para visualizar os endereços do CRAS.

Campanhas

  • Seminário de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes

    O Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes será marcado por mobilizações sociais e seminário, nos dias 14 e 15 de maio. Será lançado, na ocasião, a Campanha “Crianças abusadas sexualmente não falam. Denuncie”, organizado pela Prefeitura Municipal, por meio da Secretaria Municipal de Assistência Social, em parceria com o Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente – CMDCA – e Conselho Municipal de Assistência Social – CMAS.

    O Dia Nacional de Combate ao Abuso é no dia 18 de maio, mas Rio Preto está antecipando suas ações de sensibilização para os dias 14 e 15 de maio. O Dia Nacional de Combate foi criado em 18 de maio de 2000 pela Lei Federal nº 9970/00, com objetivo de mobilizar e convocar a sociedade brasileira a proteger suas crianças e adolescentes. A data foi escolhida em razão do "Crime Araceli". A menina de apenas oito anos de idade que foi estuprada e assassinada em Vitória (ES), em 1973. Os autores desta violência nunca foram punidos.

    “É um momento ímpar para chamarmos a atenção da sociedade como um todo sobre a importância de se denunciar casos de violências ou abusos, através do disque 100. Um gesto como esse pode mudar a história de vida de uma criança ou adolescente que muitas vezes, é ameaçada ou intimidada pelo agressor”, explica a secretária de Assistência, Helena Cristina Marangoni.

    No dia 14, no auditório da UNIP, o Promotor de Justiça de Entrância Final, do Estado do Paraná, Murillo José Digiácomo, fará abertura do Seminário discutindo o tema: “Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes: Avanços e Desafios”.

    No mesmo dia, no período da tarde, serão realizadas intervenções nos semáforos, de conscientização sobre a Campanha “Crianças abusadas sexualmente não falam. Denuncie”.

    Já no dia 15, na Praça Rui Barbosa, a Secretaria de Assistência realiza diversas mobilizações de sensibilização e estímulo à denúncia de casos de violência sexual. O evento terá a participação de várias instituições do município, com apresentações artísticas e distribuição de material informativo como cartazes, folders e adesivos, bem como ações em semáforos para chamar a atenção dos motoristas sobre o Combate a Violência infanto-juvenil.

    Para reforçar o tema "Violência Sexual é Crime" estudantes da Escola Viva, do Eldorado e Dom Lafayete farão visitação aos prédios públicos para sensibilização contra a Violência.

    As inscrições para o Seminário estão encerradas.

    Programação

    Dia 14/5

    Horário: 8h30

    Seminário “Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes: Avanços e Desafios”, com o Promotor de Justiça de Entrância Final, do Estado do Paraná, Murillo José Digiácomo.

    Local: Auditório da UNIP

    Horário: a partir das 14 horas

    Campanha “Crianças abusadas sexualmente não falam. Denuncie”

    Equipe teatral fará intervenção nos faróis em vários pontos da cidade com distribuição de adesivo e folder explicativo.

    Dia 15/05

    Horário: 9 horas

    Local: Praça Rui Barbosa

    Apresentação:

    Percussão Viva

    Valquírias Ielar

    Apae Capoeira

    Renascer

    Hip Hop

    Grafitagem

    Horário: 14 horas

    Visitação/sensibilização em prédios públicos

    Equipe teatral fará intervenção nos faróis em vários pontos da cidade com distribuição de adesivo e folder explicativo

    Mara Luíza Alves dos Santos

  • DestinAção Solidária

    O CMDCA - Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente lança, no dia 28 de novembro, às 19h30, no Centro de Convenções da Acirp, mais uma edição da Campanha DestinAção Solidária. A Prefeitura de São José do Rio Preto através da Secretaria de Assistência Social, Receita Federal, Acirp (Associação Comercial e Industrial de Rio Preto) e o CRC-SP (Conselho Regional de Contabilidade), são apoiadores da Campanha.

    Para participar basta fazer sua adesão até o dia 28 de dezembro. De acordo com a lei, podem ser destinados 6% do imposto de renda apurado anualmente pela Pessoa Física e 1% do imposto de renda recolhido sobre o lucro real da Pessoa Jurídica. Pessoa Física também pode fazer a adesão entre os dias 02 de janeiro e 30 de abril de 2013, neste caso podem ser destinados 3% do imposto de renda apurado.

    É importante ressaltar que esse dinheiro não sairá do bolso do contribuinte, pois faz parte dos impostos pagos e serão direcionados para a campanha. Mesmo em caso de restituições, o contribuinte não terá nenhuma porcentagem descontada, por ter feito a doação. A grande vantagem da campanha é que o dinheiro arrecadado é aplicado no próprio município. Desta forma, a comunidade pode acompanhar onde os recursos estão sendo aplicados. Eles são destinados a projetos apresentados pelas instituições que prestam atendimentos às crianças e adolescentes.

    Todo recurso destinado às entidades beneficentes, é monitorado e fiscalizado pelo CMDCA juntamente com um grupo de estudantes da Unirp, do curso de Ciências Contábeis, com supervisão de professores. O acompanhamento sobre a utilização destes recursos é feito mensalmente, com o aval do CRC e da Promotoria da Infância e Juventude. As entidades prestam contas ao Tribunal, através da Secretaria da Fazenda do Município.

    Com as doações de 2011, 22 instituições, o que representa 4259 crianças, foram atendidas com os recursos da campanha, somando R$ 428.981,81. O dinheiro proporcionou que as entidades tivessem melhorias estruturais em seus prédios, adquirissem novos veículos e investissem em recursos humanos, o que melhorou a qualidade do atendimento que prestam.

    Para aderir à campanha “DestinAção Solidária”, o contribuinte deve acessar o Portal Rio Preto, site oficial da Prefeitura de São José do Rio Preto, no endereço www.riopreto.sp.gov.br, e clicar no link adesão. Em seguida, fazer a opção por pessoa física ou jurídica, para que seja gerado o boleto bancário. É necessário informar nome completo, endereço, cidade, telefone, número do CPF, data de vencimento e valor a ser destinado.

    Outras informações no CMDCA pelos telefones (17) 3235-6620 e (17) 3222-2919.

  • A esmola que você dá mata tudo

    Conscientizar e mobilizar a população para que não dê esmolas é o objetivo da campanha “A esmola que você dá mata tudo”, lançada pela prefeitura de Rio Preto, através da Secretaria de Assistência Social, em parceira com a Emurb (Empresa Municipal de Urbanismo), Acirp (Associação Comercial e Industrial de Rio Preto), e toda a rede de atendimento.

    Uma equipe estará nas ruas da cidade, até a próxima sexta-feira, percorrendo as principais vias públicas e pontos comerciais, fazendo a distribuição de material informativo sobre onde encontrar todos os serviços oferecidos (abordagem social, alimentação, local para higiene pessoal, passagens, abrigamento e acolhimento institucional) para que os moradores de rua munícipes possam ser atendidos de forma sistêmica e retomem sua vida, e os migrantes retornem para suas cidades de origem.

    “Queremos que a população tenha conhecimento sobre os serviços que são prestados para quem está na rua, e fique consciente de que a esmola que dão mata tudo, menos a fome e o frio. O rio-pretense é solidário e não queremos que deixem de doar, mas sim que façam a doação certa, que deve ser direcionada às instituições”, ressalta a secretária de Assistência Social, Ivani Vaz de Lima.

    O material também traz informações importantes sobre quem deve ser acionado, dependendo da situação.

Plano Municipal de Assistência Social de São José do Rio Preto

Localização